Quem escreve?

Olá meus amigos!

Esse que vos fala é um escrevinhador nato.
Sim, daqueles que aprenderam as primeiras letras ainda em casa, sob a batuta da mãe, professora enérgica, heroína, como tantas outras nesse país.
Com as aventuras do pai, viajante (profissão que realmente acreditava existir), aprendeu a sonhar.
Reinou com Narizinho, cavalgou com Dom Quixote e Sancho Pança, chorou a morte da Baleia e fisgou o maior peixe com o velho pescador. Teimoso, acredita que fazer arte no Brasil ainda dá pé.
Crê na revolução pela palavra e ensina a seu filho que ler é libertar-se.
Tem vida dupla, de dia no cartório entre processos, à noite no estúdio de Yoga, onde faz dessa prática uma filosofia de vida. No tempo livre um bom filme em família ou um livro diante dos olhos é o que lhe faz a cabeça.
Enfim, a vida é simples quando é pra ser vivida